Hipertensão arterial: sintomas, causas. Como tratar

Pressão arterial alta Em um estado de repouso é chamado hipertensão arterial. Para determinar este diagnóstico, deve haver indicadores correspondentes.

Na vida, a hipertensão arterial primária mais comum pode ser encontrada. Este tipo de hipertensão surge de causas desconhecidas. Quanto à forma secundária de hipertensão arterial, ocorre com mais frequência em um contexto de doenças renais.

Muitas vezes, os pacientes nem sabem sobre sua saúde, mas isso continua até que a hipertensão cresça em uma forma pronunciada e permanente. A configuração desta doença é muito simples e consiste em medir a pressão arterial. Descubra o motivo e avalie o risco de a doença ser mais difícil, porque levará mais tempo e dinheiro. A panaceia para hipertensão arterial inclui não apenas tratamento médico, mas também mudanças no estilo de vida.

Com a idade, a maioria das pessoas começa a ter problemas com a pressão arterial. A hipertensão arterial é disseminada na maioria dos casos para pessoas com 65 anos ou mais. O risco de desenvolver a doença começa a crescer a partir de 55 anos. Uma maior freqüência de pressão arterial pode causar complicações no corpo e assim provocar morte prematura. Mas não só as pessoas idosas sofrem de hipertensão, mas também as mulheres grávidas estão em risco.

Causas da doença



Antes de proceder ao estudo da hipertensão, é preciso lembrar que a doença pode ser primária ou secundária.

Hipertensão arterial primária

Não suponha que a principal forma de hipertensão tenha apenas uma fonte. A razão para isso é a mudança nos componentes fisiológicos e hemodinâmicos. Às vezes, no início, um fator de aumento constante da pressão arterial prevalece, não economiza de aumento em seu número. O mecanismo mais comum de aumento do tom vascular crônico é o sarcolemma das células musculares lisas. É hereditariedade que pode se tornar um fator de predisposição, mas estes são apenas pressupostos que não permitem a exclusão de outros agentes patogênicos. A influência de fatores ambientais é considerada dominante somente naqueles com predisposição hereditária.

Hipertensão arterial secundária

Ao contrário da hipertensão primária, a forma secundária pode ser formada contra um fundo de muitas doenças. É necessário estar extremamente atento àqueles que já possuem sinais de doenças renovaresculares e parenquimatosas renais. Especialmente é necessário estar atento às pessoas com diagnósticos como coarctação da aorta, feocromócitos, mixedema, hipertireoidismo, hiperaldosteronismo e síndrome de Cushing. A hipertensão hipertensiva muitas vezes surge em um contexto de uso excessivo de álcool, e também como resultado da contracepção oral. Muitas vezes, a causa do aumento da pressão arterial é a cocaína, raízes doces, bem como simpaticomiméticos e glicocorticóides.

Se considerar doenças do parênquima renal, torna-se óbvio que elas surgem contra a hipertensão arterial renal. É dada especial atenção à hipertensão renovascular. É este tipo de hipertensão que pode se manifestar após a estenose da artéria renal.

O grupo que consiste em doenças parenquimatosas dos rins inclui muitos tipos. Os cientistas incluem em seu número de nefropatia diabética, sintomas de atraso primário do sódio. Isso já fala sobre glomerulonefrite aguda e crônica, que faz parte integrante desse grupo. Esta lista é complementada com tumores renessários e traumas renais. As nefropatias obstrutivas, as hidronofrases, a pielonefrite crônica, a hipoplasia renal congênita e a policisstase não constituem nada mais do que um grupo parenquimatoso.

Identificar a hipertensão arterial no fundo das doenças parenquimatosas pode ser usado usando estudos de função renal e patologias nos rins da forma nosológica. De acordo com o medicamento oficial, quase todos os pacientes com hipertensão obtiveram, além de lesões dos principais vasos renais ou secreção de tumores renais.

VIDEO



https://www.youtube.com/watch?v=fI1pJL9gtN8

O que as mudanças são induzidas pela hipertensão



É muito difícil sentir hipertensão arterial nos estágios iniciais, pois é impossível notar mudanças. Se a hipertensão passa para uma forma diferente e mais severa, as conseqüências de sua influência no corpo afetam os rins, o sistema cardiovascular e até o cérebro.

O trabalho inferior destes órgãos permite desenvolver doenças como stroke , insuficiência renal e provocam a patologia dos vasos coronários. Todas essas doenças podem iniciar um processo irreversível, como resultado do qual a aterogênese aumentará e a aterosclerose generalizada começará.

Muitos não sabem, mas é a aterosclerose que se chama causa de hiperplasia e hialinização da coróide, bem como hipertrofia. O processo de alteração de arteríolas pequenas é difícil de traçar, no entanto, este é um problema completamente solucionável. É feito com a ajuda de dados de pesquisa sobre globos oculares e rins. As mudanças são visíveis no exemplo de estreitamento do lúmen da artéria, o que estabiliza o aumento da pressão arterial. Assim, quando o estreitamento da arteriola já está fixo, qualquer outra alteração na camada do músculo hipertrofiado só acelerará a diminuição do lúmen. O acima nos permite entender que a forma mais negligenciada de hipertensão arterial, menor a probabilidade de normalizar a pressão arterial.

Um aumento na quantidade de estresse no corpo leva a hipertrofia ventricular esquerda. Este não é um indicador muito bom, pois desenvolve disfunção diastólica. O ventrículo começa a aumentar e desencadeia o processo de disfunção sistólica. O fator de ressaltante desta disfunção é insuficiência cardíaca e cardiomiopatia dilatada.

Na maioria dos casos, os pacientes com aneurisma da aorta abdominal não estão protegidos contra manifestações de efeitos colaterais sob a forma de outras doenças, incluindo hipertensão arterial. As complicações da doença são quase sempre manifestadas, portanto, é necessário realizar um exame de tempos em tempos para a presença de estratificação da parte torácica da aorta.

Sintomático de hipertensão arterial



A maioria de nós se acostumou com o fato de que cada doença é acompanhada por uma série de sintomas, pelos quais pode ser diagnosticado. A peculiaridade da hipertensão arterial é que os estágios iniciais da doença não são acompanhados por nenhum sintoma. Não entre em pânico com dor de cabeça, vermelhidão ou transpiração excessiva, uma vez que estes sintomas não se aplicam à hipertensão. Não é necessário atribuir a si mesma esta doença e com sangramento nasal, aumento da irritabilidade e mal-estar. Outra situação consiste em uma forma grave de hipertensão arterial.

Sintomático deste tipo está em uma variedade de fatores. Muitas vezes, a sintomatologia da doença indica os primeiros sinais de aterosclerose dos vasos coronários, insuficiência cardíaca e renal, encefalopatia hipertensiva.

A doença inicia o processo de mudança da retina. Se você encontrar os primeiros sintomas da doença, você precisa procurar ajuda médica o mais rápido possível. Caso contrário, as mudanças iniciarão o processo de constrição de arteríolas, exsudação, sem mencionar hemorragia e edema do mamilo do nervo óptico. As mudanças são classificadas em quatro grupos, variando do mais simples ao mais desastroso:

  • Fase I - caracterizada pela constrição das arteriolas;

  • Estágio II - unifica a constrição e a esclerose das arteriolas;

  • Fase III - desenvolve hemorragias e sua exsudação;

  • Estágio IV - é indicado por edema do mamilo do nervo óptico.


  • O diagnóstico de



    Antes de confirmar ou refutar o diagnóstico, mede a pressão arterial. Se você tiver dúvidas sobre o tratamento, então você precisa determinar a causa da doença. O exame físico em combinação com anamnesis ajudará não só a identificar a causa, mas também a determinar o dano aos órgãos alvo.

    Uma medida única da pressão arterial não pode revelar a imagem completa da doença. Primeiro, é medido em uma posição sentada ou deitada. Em seguida, o paciente é oferecido para suportar dois minutos, após o que eu faço medições repetidas. Essas manipulações devem ser repetidas por três dias e não menos. Essas medidas serão usadas para diagnosticar. Essas medidas possibilitam a qualificação da pressão arterial. Assim, a pressão arterial pode ser normal, hipertensão, I e II estágios.

    Para determinar o diagnóstico, os indicadores de pressão arterial de ambas as mãos são levados em consideração. Se os indicadores forem diferentes, então o que é mais alto é tomado como base. Para detectar a coarctação da aorta, as medidas da pressão arterial são feitas nas pernas. Tais medidas são necessárias quando o pulso femoral é mal realizado. Se a pressão arterial nas pernas for menor do que nos braços, isso confirma coarctação.

    Tratamento da hipertensão arterial



    Já foi mencionado que a hipertensão primária surge sem razões especiais, mas algumas variantes do estágio secundário podem influenciar a causa. O monitoramento oportuno da pressão arterial reduz significativamente a porcentagem de complicações. Apenas um terço dos pacientes com hipertensão arterial consegue reduzir a tensão arterial ao normal.

    Até os pacientes da velhice vivem muito bem com pressão diastólica. Ao mesmo tempo, os indicadores de pressão não são capazes de aumentar o risco de doenças cardiovasculares. Ideal é a opção quando os pacientes, sozinhos ou com a ajuda de outros, medem periodicamente a pressão arterial. Por sinal, isso não prejudica pessoas saudáveis. Para realizar essas manipulações, você precisa passar por um breve briefing, que permitirá que você faça tudo certo. Quanto ao aparelho para medir a pressão sanguínea (um tonómetro), ele deve ser calibrado de tempos em tempos.

    Nós mudamos o modo de vida

    Devemos concordar que é nosso modo de vida, e não outros fatores, que afetam nosso bem-estar. Para normalizar a pressão arterial, você precisa realizar atividades físicas constantemente. Apenas meia hora três vezes por semana de exercício ativo pode mudar a vida para melhor.

    Para se livrar de problemas com a pressão arterial, ajuda a deixar de fumar e a perder peso.

    Faça o último realmente ao observar uma dieta especial, incluindo frutas, vegetais, produtos com baixo teor de gordura ou com baixo teor de gorduras saturadas.

    Um passo importante no caminho da recuperação é a restrição no consumo de sódio e álcool.

    O primeiro estágio da hipertensão arterial pode ser tratado sem influência medicinal, mas apenas alterando o modo de vida. Os pacientes com hipertensão sem complicações não são restritos na atividade se os valores de pressão arterial estiverem dentro da norma. Os espíritos da nutrição ajudarão na norma não só para problemas de pressão arterial, mas também para diabetes, dislipidemia e obesidade. Essas recomendações não são discutidas, especialmente se se trata de pré-hipertensão.

    Qual é o prognóstico da hipertensão?



    É muito difícil fazer previsões para a hipertensão arterial. A atenção é atraída para muitos fatores que podem afetar o paciente. O paciente deve esperar o pior, quando a pressão arterial permanece em níveis elevados. Não prometa nada de boas mudanças nos vasos da retina ou outras alterações nos órgãos alvo. Se compararmos a pressão arterial diastólica com a pressão arterial sistólica, o último será o melhor preditor de complicações de natureza fatal ou não fatal.

    O desconfortável para tratar a hipertensão arterial pode levar a um baixo limite de sobrevivência.

    Se compararmos os indicadores para um ano de pacientes com doenças como hemorragia ou retinopatia, então o fato de 10% de sobrevivência se torna notável. A lista de doenças pode ser atribuída com segurança ao estreitamento de arteríolas e exsudatos nublados. Se um paciente sofre de uma das doenças acima, simultaneamente com o edema do mamilo do nervo óptico, a falta de medicação reduz a taxa de sobrevivência em 5%. Com o tratamento selecionado de forma inadequada, a hipertensão pode tornar-se complicada e se desenvolver em um acidente vascular cerebral hemorrágico ou isquêmico.